29/07/2017

Wolverine sou eu!

Ok, hoje é dia de você descobrir minha identidade secreta: Wolverine! Sim, aquele cara feroz de quem brotam garras feitas de lâminas de "Faca Ginsu", que corta tudo, exceto as "Meias Vivarina" que nos comerciais da TV prometiam nunca desfiar. Se olhar bem verá que ele até se parece comigo quando uso barba e músculos postiços.

Hugh Jackman como Wolverine.jpg


Mas por que decidi revelar minha identidade secreta? Porque meu pai tirou uma foto minha usando essas luvas ridículas como se estivéssemos no Polo Norte. O frio nem está tanto aqui neste interior paulista, mas que o clima está seco, está. E como sofro de ictiose congênita, que faz minha pele escamar como aquele antigo "Sabão Rinso".

Acho que você não é da época, que é de antes das "Facas Ginsu" e das "Meias Vivarina", por isso vou colar aqui uma foto de propaganda da época, quando as mulheres achavam que passar o dia com a barriga encostada no tanque era motivo de alegria.

Resultado de imagem para sabão em pó rinso

Por causa de minha ictiose sou cremado todos os dias, isto é, passam creme em todo o meu corpo para manter a pele grudada onde ela deve ficar. Mas na cabeça fica mais complicado, porque se cremarem meu cabelo ele vai ficar naquele estilo lambida de vaca que meu pai usa quando passa seu gel fixador. Antigamente chamavam de brilhantinaBrylcreem ou Glostora (olha lá, donas das marcas, não se esqueçam de meu jabá!).



Então meu couro cabeludo começa a coçar e é aí que minhas mãos liberam as garras de Wolverine para aliviar a coceira. O problema é que pessoas como eu, que têm paralisia cerebral e dificuldade de coordenação motora, não conseguem controlar a força que aplicam em suas garras e o estrago que as unhas fazem pode ser grande e os arranhões se transformarem em infecções. Junte-se a isso minha diminuída sensibilidade à dor e já dá para perceber que meu couro cabeludo não é páreo para minhas mãos. Daí as luvas que preciso usar de vez em quando para não me cortar. Aquele cortinho na testa é apenas um exemplo, mas minha nuca está cheia de feridinhas causadas por este Wolverine que vos fala.



Mas não tenho o que reclamar das luvas, porque sei que é um cuidado de meu pai, assim como o Pai daqueles que creem em Jesus também cuida de seus filhos. Portanto não reclame quando Deus limitar suas garras e aquela energia toda que leva você a fazer sua própria vontade como se fosse dele. Se Deus deixar você sem luvas você vai se arrebentar, e é para isso que Deus usa as limitações, as enfermidades, os acidentes para pisar em nosso freio. Ou, melhor dizendo, puxar nosso freio, porque a Bíblia fala dos desembestados como se fossem cavalos:

"Instruir-te-ei, e ensinar-te-ei o caminho que deves seguir; guiar-te-ei com os meus olhos. Não sejais como o cavalo, nem como a mula, que não têm entendimento, cuja boca precisa de cabresto e freio para que não se cheguem a ti. O ímpio tem muitas dores, mas àquele que confia no Senhor a misericórdia o cercará." (Sl 32:8-10)



5 comentários:

Eci Meira disse...

Amei! Deus te abençoe muito.

Ândreas Andrade disse...

kkk muito bom. Deus é grande.

Cláudia Oliva disse...

Quando meu filho tinha uns 11 anos me disse: Mae, eu queria me chamar Verine. Eu logo perguntei o motivo de um nome tao diferente. Ele me responde que quando tivesse netos estes o chamariam de vo Verine...rs.

Emanoel Barroso disse...

Glória a Deus! Explendido texto.

Gisele Formiga disse...

Oi Pedro,

Eu estava com saudades de ler um texto leve e edificante como este, aí resolvi dar uma passadinha aqui no seu blog, também porque acompanho as publicações do seu pai e deixa eu te confessar uma coisa, ontem, dia dos pais eu me lembrei dele, pensei até em mandar uma mensagem desejando um feliz dia, mas aí fiz o seguinte, baixei um vídeo antigo dele chamado "Dia dos pais: de pai para pai", o qual eu gosto muito e enviei para amigos e familiares pais.
Então, graças à Deus por nos limitar de tantas formas, não é? Certamente é para o nosso bem, a sua benignidade dura para sempre...
Abraços e que Jesus os abençoe mais e mais.


Postagens populares