15/04/2013

Ganhei um presente caro de aniversario!

Hoje é meu aniversário. Enquanto meu pai escreve este blog para mim ele come um pedaço do bolo de fubá que a cozinheira fez, acompanhado de uma caneca de Nescafé adoçado com "Doce de Leite Viçosa" sabor chocolate. Ele não é nem um pouco bobo, não é mesmo? Adivinha quem escolheu o bolo? Foi ele, porque eu não sei falar.



Você não vai acreditar, mas hoje eu completo 31 anos de vida. Não parece, né? Pois é, de todas as deficiências que me acompanham desde que vim ao mundo, ao menos esta é positiva: eu não envelheço. Continuo com esta cara de menino lindo que sempre tive e pelo jeito não vou sair da estatura de uma criança de dez ou onze anos. Mas tudo bem, porque eu não sei mesmo como seria se fosse diferente! É isto que pouca gente entende sobre os deficientes.

Você consegue ler pensamentos? Não? Então você nasceu deficiente em telepatia! Consegue enxergar através das paredes? Nossa! O que há de errado com seus olhos?! Já aprendeu a voar? Não?! Aposto como você não sente falta desses poderes porque não veio de Krypton como o Super Homem. Percebeu que quando a gente nasce sem certas capacidades elas não fazem falta?

Assim é também com os que nasceram deficientes visuais ou intelectuais, como eu. Meus ouvidos funcionam, mas nasci com alguma diferença neles porque nos testes feitos por computador o resultado é que sou surdo, o que não sou. Mas alguns ruídos que ninguém ouve me incomodam, talvez por eu ouvir em uma faixa diferente de frequência, como acontecem com os cães que querem morrer quando as pessoas soltam rojões.

Neste aniversário ganhei três presentes de meu pai, um baratinho que adorei, outro de preço médio que me envergonha usar e o terceiro um presente caríssimo que poucos conseguem comprar. O de preço médio é um tênis desses tipo off-road com cano alto. Como todos os que meu pai viu na loja tinham uma sola grossíssima e pesadíssima (dessas para quem pisa no chão para frear bicicleta), ele decidiu comprar um modelo feminino que tem a sola mais fina. E agora quem passa vergonha sou eu, mas acho que ninguém percebe, pois sou tão bonito e simpático que ninguém olha para meus pés.


O presente baratinho foi um urso de pelúcia (já contei que passo o dia segurando um bichinho de pelúcia) que veio com um aparelhinho dentro da barriga. Você aperta a barriga e ele toca uma risadinha de bebê que é um barato. Ou era...

Sim, era porque eu não conseguia apertar a barriga do bichinho. Lembre-se, tenho problemas de coordenação motora e meu polegar não faz "pinça" com o indicador, como acontece com muitos que nascem com lesão no cérebro. Então meu pai pediu à minha babá para fazer uma cesária no ursinho e nasceu um aparelhinho quadradinho que eu era capaz de apertar e ria à beça com isso. Até o aparelhinho desaparecer.

Verdade, já reviraram a casa toda e nada de encontrar. Como tenho costume de descer do sofá e ir engatinhando até o banheiro levando o que tiver na mão, meu pai acha que joguei o negócio na privada e alguém deu a descarga e não viu. Já fiz isso diversas vezes com meus bichinhos de pelúcia. Como eles são grandes ficava fácil descobrir onde estavam e às vezes uma boa lavada com desinfetante resolvia o assunto. Mas alguns precisaram ir direto para  o lixo depois de ganharem uma cobertura parecida com chocolate.

Mas depois de perdido o aparelhinho de risada sobrou o ursinho de pelúcia, só que eu ainda gosto mais do velho e surrado cachorrinho de toca na cabeça, que você pode ver na foto acima. E o presente caro? Tá curioso né? A foto está logo abaixo.



2 comentários:

sandra disse...

hahaha!! :p

Gisele Formiga disse...

Oi Pedro,
Tomate é caro? E esse algodão aí, envolta dele? O que é?!
Minha mãe me fala de você, lemos juntas, você é bem engraçado
Ass. Maria Cecília, 9 anos

Postagens populares